São Luiz RioMar

Pílulas anticoncepcionais e os riscos para a saúde

A Revista Saúde Fortaleza bateu um papo sobre a temática com a médica ortomolecular Maryna Landim. Confira o vídeo.

15 de junho de 2018
Revista Saúde Fortaleza - Dra. Maryna Landim

Revista Saúde Fortaleza – jornalista Natália Fonteles entrevista Dra. Maryna Landim

As pílulas anticoncepcionais foram criadas na década de 60 e foram responsáveis por uma grande revolução no comportamento sexual das mulheres. Porém, os efeitos colaterais desses hormônios sintéticos no organismo feminino podem causar problemas de saúde como trombose, cefaléias e enxaquecas.

De acordo com Maryna Landim, o uso das pílulas anticoncepcionais causa muito mais ônus à saúde da mulher e por isso seu uso é totalmente dispensável.

A médica explica que os hormônio sintéticos contidos nas pílulas podem causar desordem no sistema endócrino, que é responsável pela liberação de hormônios naturais no corpo, e isso pode causar problemas para ganhar massa magra, queda de libido e até mesmo acidente vascular cerebral (AVC).

Segundo a ortomolecular existem outras alternativas muito melhores e menos nocivas para conseguir o efeito de contracepção.  Sendo a mais indicada é o Dispositivo Intrauterino (DIU) que, segundo a Sociedade Brasileira de Obstetrícia e Ginecologia, é o método mais seguro para evitar a gravidez.

> Treino Crossfoot marca lançamento da revista Saúde Fortaleza
> 10 Razões imprescindíveis para optar por alimentos orgânicos
> Práticas alternativas como Ayurveda, Ioga e musicoterapia serão oferecidas no SUS

O método é o mai sindico, salvo para algumas mulheres que, por questões anatômicas (útero bicorno, que tem formato de pêra, e de didelfo, malformação congênita), não conseguem implantar o DIU. O dispositivo tem ação espermicida, ele impede o espermatozóide de encontrar o óvulo, portanto, ele não é abortivo.

Tipos de DIU:
  • DIU de mirena

A liberação de hormônios é menor, pois só acontece no útero. Mas isso não isenta dos efeitos colaterais que os hormônios sintéticos causam.

  • DIU de prata

Não há liberação de hormônios. O método tem ação espermicida. Ele é indicado para pessoas que que têm excesso de cobre no sangue.

  • DIU de cobre

Não há liberação de hormônios. O método tem ação espermicida.

  • DIU de prata com cobre

Não há liberação de hormônios. O método tem ação espermicida. 

A médica explica que existe diferentes tipos de DIU, devido aos efeitos do níveis de metais no corpo. Cada metal presente no ambiente, tem um peso diferente que interferir no organismo. Como é o caso do metal cobre, que em excesso pode ocupar os receptores hormonais naturais do corpo e desencadear problemas de saúde. Se houver excesso desses metais (íons) no sangue, eles se depositam nos receptores dos hormônios, e assim, há um desequilíbrio que interfere no bom funcionamento do corpo. Manter os níveis de metais balanceados é fundamental para a manutenção da saúde. E isso é controlado por meio de exames laboratoriais.

Maryna também alerta para o perigo do diagnóstico de síndrome dos ovários policísticos, que são erroneamente tratados com pílulas.

“Geralmente, a adolescência é a época em que comemos de forma mais desregrada. Muitos salgados e produtos industrializados. Somando a essa má alimentação há as alterações hormonais que podem causar a acne. Muitas pessoas associam esse conjunto de fatores à síndrome e acham que o uso das pílulas é a solução. E isso é um perigo, pois é preciso exames específicos para diagnosticar com segurança”, ressalta a profissional.

A médica alerta que por mais que seja diagnosticado a síndrome dos ovários policistico é possivel fazer o tratamento de forma mais natural, por meio da alimentação. Para isso, é preciso uma visita ao médico para que seja feito uma análise detalhada do caso através de exames específicos.  

Alternativas e tratamentos

A medicina mais naturalista trata de forma mais natural possível, sem o uso de hormônios sintéticos. Com uma alimentação mais natural, é possível conseguir encontrar nos alimentos propriedades anti inflamatórios potentes, além de vitaminas que fortalecem o corpo. O ômega 3, por exemplo, é um ótimo suplemento que pode ajudar a diminuir a inflamação no corpo. Tratamentos mais alternativos como Iodoterapia também é uma ótima opção para tratar, inclusive, a síndrome dos ovários policístico.  

Dica para escolher o Ômega 3

O ideal é escolher um Ômega 3 venha em uma embalagem que seja escura, pois pois a luz solar oxida o conteúdo das cápsulas. É interessante que ele seja enriquecido com vitamina E.

Teste: Coloque a cápsula de Ômega 3 no congelador, se ela depois de um tempo, congelar, ele não é bom para o consumo.

Por que o anticoncepcional dificulta o ganho de massa magra?

A médica alerta que quanto menos hormônios artificiais circulando no corpo, melhor. De acordo com Maryna, os hormônios sintéticos podem até dificultar o ganho de massa magra.

Para que a pílula anticoncepcional evite a ovulação, ela bloqueia a produção de alguns  hormônios na hipófise como a testosterona, que é o hormônio masculino responsável, entre tantas outras coisas, pela construção e manutenção da massa magra. A pílula também interfere na glândula adrenal, que produz o cortisol e dhea, que são hormônios anabólicos ou catabólicos, dependendo da dose encontrada no sangue.

Essa interferência no corpo gerada pelas pelas pílulas gera problemas para ganhar massa magra por desregular o ciclo normal da produção de hormônios no corpo. A médica alerta, sem músculos fica difícil até queimar gordura.

Dor de cabeça X anticoncepcionais

De acordo com a médica, a enxaqueca é multifatorial e pode também ser desencadeada por conta de uma alimentação desregrada. Ela alerta que uma alimentação errada, desregrada, com muito glúten, muita farinha branca pode desencadear um processo anti inflamatório no corpo e causar cefaleias e enxaquecas. Por isso, a combinação anticoncepcional e má alimentação não é boa.

Alerta: As causas da enxaqueca devem ser investigadas, pois quando há interações medicamentosas com outros remédios pode sobrecarregar o fígado e causar problemas maiores.

Para entender um pouco mais sobre os hormônios sintéticos e o uso da pílula anticoncepcional, a Revista Saúde Fortaleza bateu um papo sobre a temática com a médica ortomolecular Maryna Landim. Confira o vídeo na TV Saúde Fortaleza. 




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:







COMENTE: