Publicidade assembleia

Outubro Rosa: amamentar reduz risco de câncer de mama

Especialista afirma que quanto mais tempo a mulher amamenta, menor vai ser o seu risco de desenvolver a doença

14 de outubro de 2020
A amamentação faz bem para o desenvolvimento do bebê e para prevenção do câncer de mama na mãe. (Foto: Assessoria de imprensa HRN)

A amamentação faz bem para o desenvolvimento do bebê e para prevenção do câncer de mama na mãe. (Foto: Assessoria de imprensa HRN)

[OUTUBRO ROSA] Amamentar reduz risco de câncer de mama, orienta especialista. Além de ser importante para o bebê, o aleitamento materno também traz benefícios para as mulheres.

Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), uma mulher que amamenta durante um ano tem 4,3% menos chances de desenvolver tumores na região mamária, o que diminui o risco de câncer de mama.

> Leite materno: doações são importantes para estoque no Ceará

“Os estudos apontam que, quanto mais tempo a mulher amamenta, menor vai ser o seu risco de desenvolver câncer de mama”, afirma Izabela Tamira, pediatra do Hospital Regional Norte (HRN). De acordo com a especialista, o nível de estrogênio no organismo da mulher não aumenta durante a amamentação.

> Congelamento de óvulos é opção para mulheres com câncer de mama

Hormônio x câncer de mama

“O estrogênio é um hormônio que, nos pacientes com desenvolvimento de câncer de mama, vai promover o surgimento, o crescimento desse tumor. Outro fator que também se associa a essa proteção é o desenvolvimento das células mamárias para se especializarem na produção do leite materno. Com esse processo, temos a eliminação de várias células que poderiam ter uma mutação e ser a origem do desenvolvimento do câncer de mama”, explica.

> Saiba onde realizar exames gratuitos de Covid-19 no Ceará 

A médica ressalta, ainda, que a amamentação é um fator de proteção até para mulheres com histórico de câncer na família. “Para as mulheres com parente de primeiro grau com câncer, a amamentação vai ser muito útil para evitar o desenvolvimento de células neoplásicas”, completa.

As mulheres que não conseguem amamentar por motivos diversos podem realizar a ordenha para inibir a produção do estrogênio. O excedente de leite materno pode ser doado.

Ordenha e doação de leite

“No momento da retirada do leite na ordenha, há esse estímulo à produção e o mecanismo é o mesmo. Por isso, doar também ajuda. Na medida em que a mulher esvazia a mama na amamentação e na doação, ela vai produzir uma maior quantidade de leite e o tempo de amamentação também se torna maior”, completa Izabela.

O excedente de leite materno pode ser doado para o Banco de Leite do HRN, em Sobral (Ce). “Amamentar faz bem tanto para o bebê quanto para a maãe. Ele ajuda a salvar vidas de outras crianças. Por isso, unindo a campanha do Outubro Rosa à necessidade constante dos bebês da UTI Neonatal, gostaríamos de pedir às mamães que estão em casa que façam a doação de leite materno”, ressalta a coordenadora do banco de leite materno do HRN, Samara de Andrade.

Serviço :

Doação de leite em Fortaleza:

Hospital Infantil Albert Sabin (HIAS) – 0800.2804169
Hospital Geral de Fortaleza (HGF) – (85) 3101.3335
Hospital Geral Dr. César Cals (HGCC) – (85) 3101.5367

Doação de leite em Sobral: 

Hospital Regional Norte (HRN) – (88) 3677.9467/ (88) 98883-4079 (whatsapp)




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:







COMENTE: