Assembleia novembro

Unicamp desenvolve spray que inativa o vírus da covid-19 por 3 dias

Tecnologia é indicada para EPIs de profissionais de saúde

13 de novembro de 2020

O SprayCov não apresentou toxicidade para as células, inibiu a replicação do coronavírus por 3 dias e ainda reduziu a capacidade de inoculação, desarticulando os mecanismos que permitem a instalação da doença. (Foto: site da Unicamp).

A descoberta pode acabar com as trocas frequentes de máscaras e outros acessórios que entraram para a rotina de proteção da população, os chamados EPIs (equipamentos de proteção individual). Trata-se de um processo de recobrimento para esses materiais, capaz de formar uma capa protetora ativa e de ação prolongada que neutraliza o coronavírus por contato.

> Saiba onde realizar exames gratuitos de Covid-19 no Ceará

SprayCov

O SprayCov, como foi batizado pelos cientistas, eliminou o coronavírus depois de apenas um minuto e manteve 99,99% de eficácia nas 48 horas seguintes. “Nossa fórmula não é um agente sanitizante como o álcool 70 ou o hipoclorito de sódio que usamos na limpeza, esse é um processo para tornar a máscara capaz de inativar o vírus”, explica Marisa Masumi Beppu, professora titular da Faculdade de Engenharia Química e fundadora do LEQUIP.

As análises de eficácia foram realizadas no Laboratório de Virologia Animal (LVA), da Unicamp. (Foto: site Unicamp).

A tecnologia é indicada para EPIs empregados por profissionais de saúde, mas o spray também pode ser aspergido em máscaras de algodão. A ideia é conferir uma barreira ativa que destrua o vírus assim que ele tiver contato com a superfície recoberta. Atualmente, os equipamentos de proteção individual servem mais como barreira física.Outra vantagem da fórmula está no preço dos insumos.

> Consumo de bebidas alcoólicas e comidas industrializadas em excesso pode afetar fertilidade

Mais barato e eficaz

O custo de recobrimento de máscaras com o SprayCov foi calculado pelos pesquisadores em pouco menos de R$ 0,02 por máscara. “O cobre é tão eficaz quanto a prata”, afirma Clarice Weis Arns, professora titular do Instituto de Biologia, e responsável pelos testes.

As análises de eficácia foram realizadas no Laboratório de Virologia Animal (LVA), da Unicamp, que já avaliou a ação virucida de outros produtos apresentados pela força-tarefa da universidade, montada no início do ano contra a Covid-19.

Amostras do vírus SARS-CoV-2 e de um modelo dele, chamado de MHV (outro tipo de coronavírus, mais resistente e que afeta apenas camundongos) foram colocadas em contato com a fórmula e células vivas in vitro.

> Desequilíbrios hormonais podem afetar a fertilidade 

Resultados

O SprayCov não apresentou toxicidade para as células, inibiu a replicação do coronavírus por 3 dias e ainda reduziu a capacidade de inoculação, desarticulando os mecanismos que permitem a instalação da doença.

*Com informações da Agência de inovação da UNICAMP. (Fotos: site Unicamp).




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:







COMENTE: