Banner Granja Regina

Muriçoca pode transmitir o vírus da Zika

Descoberta pode ajudar a compreender a epidemia.

10 de agosto de 2017
Culex, popularmente conhecido como muriçoca, pode transmitir o vírus da Zika.

Culex, popularmente conhecido como muriçoca, pode transmitir o vírus da Zika.

A muriçoca é capaz de transmitir o vírus Zika. A descoberta é da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) de Pernambuco e pode ajudar a compreender porque a epidemia foi mais grave em algumas regiões do país. O Culex, nome científico do mosquito, reproduz-se em água extremamente poluída, comum onde não há saneamento básico. Isso explicaria também porque a incidência de microcefalia é maior em famílias de baixa renda.

Segundo os pesquisadores, é preciso estudar a importância do inseto como vetor da doença – se é um vetor primário, secundário ou não tem relevância. O artigo publicado na revista Emerging microbes & infections, do grupo Nature, comprova que o Zika se reproduz dentro dos mosquitos. O vírus está presente na saliva extraída dos espécimes, tanto os infectados em laboratório como os contaminados em ambiente natural.

>Chikungunya: mais de 58 mil casos confirmados no Ceará
>6 dicas para fortalecer o sistema imunológico
>Câncer de pele: durante o verão os cuidados devem ser redobrados

Pela primeira vez, a formação de partículas virais do Zika na glândula do inseto foi fotografada por microscopia eletrônica. O próximo passo é estudar características biológicas do Culex, como a longevidade, a abundância em campo e a preferência de se alimentar com o ser humano. Questões ambientais como a temperatura e umidade do local também são levadas em conta, segundo a pesquisadora da Fiocruz Constância Ayres.

Resultados nacionais da Zika

Os primeiros casos de microcefalia causados pela zika surgiram no Nordeste. A falta de saneamento básico pode ter ligação, pois permitiria a reprodução do vírus de forma intensa. Enquanto o mosquito Aedes aegypti prefere se reproduzir em águas limpas, o Culex tem preferência por águas sujas.

A carga viral que o mosquito da dengue carrega na saliva é a mesma da muriçoca. No entanto, a taxa de infecção natural do pernilongo é duas vezes menor que a do Aedes, embora o Culex seja mais numeroso (a população é 20 vezes maior que a do Aedes na área estudada).

Os resultados dizem respeito aos espécimes coletados em uma área delimitada – o estudo foi realizado em Recife-, mas, segundo a pesquisadora Constância Ayres, a descoberta pode ser considerada nacional, já que, em um estudo feito em parceria com a Secretaria de Saúde de Vitória, no Espírito Santo, também foram encontradas amostras positivas do vírus Zika em mosquitos Culex.

Como evitar criadouros do mosquito

A melhor forma de prevenção é eliminar o mosquito. Não deixar água parada e realizar a limpeza de jardins. O aumento das muriçocas está vinculado ao saneamento básico. Além da limpeza e obras realizadas pela Prefeitura, é preciso esclarecimento das pessoas para não jogarem dejetos nos canais. A Prefeitura recomenda que em casos de proliferação de muriçocas a população procure a secretaria regional da área para a devida utilização de inseticidas.

Serviço
Secretaria Regional I – (85) 3214-3309
Secretaria Regional II – (85) 3241.4839
Secretaria Regional III – (85) 3433-2501
Secretaria Regional IV – (85) 3433.2800
Secretaria Regional V – (85) 3433.2919
Secretaria Regional VI – (85) 3488-3124
Secretaria Regional do Centro – (85) 3254.3427




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:







COMENTE: