Banner animado assembleia abril

Coronavírus: Ceará em estado de calamidade pública

A Rede Estadual de Saúde já está preparada. Dentre as medidas preventivas, está a suspensão de qualquer evento público acima de 100 pessoas.

17 de março de 2020

Matéria atualizada às 9h40 do dia 08/04/2020.

Segundo o boletim epidemiológico disponibilizado pela Secretaria de Saúde do Estado do Ceará (Sesa), por meio da plataforma IntegraSUS, até o momento, foram confirmados 1268 casos de COVID-19 laboratorialmente e 42 óbitos em decorrência do novo coronavírus no Ceará.

Destes, 1121 são residentes em Fortaleza. No interior, são 28 casos confirmados em Aquiraz; 17 em Maracanaú; 16 em Caucaia; 14 em Sobral; 6 em Horizonte; 4 em Quixadá; 3 em Eusébio, Icó, Iguatu, Jaguaribe e Juazeiro do Norte; 2 em Aracati, Cariús, Maranguape, Novo Oriente, Pacatuba, Santa Quitéria; 1 em Amontada, Beberibe, Canindé, Cascavel, Catarina, Crateús, Croata, Farias Brito, Guaraciaba do Norte, Ipaporanga, Ipueiras, Itaitinga, Itapipoca, Lavras da Mangabeira, Limoeiro do Norte, Mauriti, Mombaça, Pedra Branca, Pindoretama, Quixeramobim, Santana do Acaraú, Senador Pompeu e Tianguá. 12 ainda não tiveram local identificado, segundo a Sesa.

O Estado já acumula 8923 casos suspeitos.

Os óbitos se concentram em Fortaleza, com 30 ocorrências; em Aracati, Cariús, Caucaia, Farias Brito, Iguatu, Itaitinga, Jaguaribe, Maracanaú, Santa Quitéria e Tianguá, com 1; em Eusébio com 2.

Entre os registrados, está o de um médico radiologista de 43 anos, que faleceu na capital em decorrência de uma encefalite viral provocada pela infecção. A morte foi confirmada pela Assessoria de Comunicação do Sindicato dos Médicos do Ceará (Sindimed-CE) e é o primeiro registro de óbito médico no Estado.

Diante desses resultados, Fortaleza ocupa o topo da incidência de Covid-19 entre as capitais do País, com coeficiente de 34,7 novos casos a cada 100 mil moradores — o maior do Brasil.

> Coronavírus: saiba quais são os cuidados necessários no dia a dia

> Coronavírus no Brasil: tire suas dúvidas sobre a doença

Diante desses resultados, o governador do Estado, Camilo Santana, decretou Estado de Calamidade Pública no Ceará. Dentre as medidas preventivas, estão:

  • Suspensão de qualquer evento público no Ceará acima de 100 pessoas;
  • Suspensão de atividades em escolas e universidades públicas, estaduais e municipais de Fortaleza até o dia 20 de abril;
  • Suspensão de visitas a todas unidades prisionais do Estado;
  • Suspensão de férias de todos os servidores de saúde do Estado;
  • Obrigatoriedade da higienização dos transportes públicos, pelo menos uma vez ao dia;
  • Criação da rede de TelesSaúde da Sesa, ampliando o atendimento online para diminuir a procura a unidades públicas;
  • Isenção da conta de água até junho para famílias cearenses de padrão básico (consumo até 10m³) que pagam tarifa social e popular da Cagece;
  • Suspensão da tarifa de contingência em Fortaleza e Região Metropolitada dos domicílios de padrão básico e regular da Cagece. A medida valerá por 3 meses;
  • Inspeção em passageiros que desembarcarem de vôos nacionais e internacionais no Aeroporto de Fortaleza.

“Todas as decisões estão sendo orientadas através por informações técnicas e científicas. Importante nesse momento é informar de forma transparente o que está acontecendo, e agir com tranquilidade. Mesmo se tratando de uma transmissão de um vírus extremamente contagioso, a mortalidade não é tão alta quanto em outras epidemias, com cerca 3%. Temos o grande desafio de fazer a estratificação de risco de quem realmente precise ir ao hospital, pois o principal sintoma é a presença de falta de ar, para que, somente assim, a pessoa procure nossas unidades de emergências. Já somos o Estado que mais investigou o vírus, e estamos fazendo um plano ativo de documentação dos casos, para estabelecer a rota de contaminação, e por fim, reduzir o número de contaminados”, afirma o secretário de saúde do Ceará, Dr. Cabeto.

Em caso de aparecimento de sintomas, a Rede Estadual de Saúde já está preparada para receber os casos. Por isso, o paciente deve procurar o serviço de saúde mais próximo de sua residência. Cabe ao médico avaliar e definir se é necessário encaminhar a um hospital de maior complexidade, que seja referência para atender os casos considerados graves.

Os hospitais de referência no Ceará para o tratamento de casos graves são:

    • Hospital São José de Doenças Infecciosas (Fortaleza)
    • Hospital Regional Norte (Sobral)
    • Hospital Regional do Sertão Central (Quixeramobim)
    • Hospital Regional do Cariri (Juazeiro do Norte)

Distanciamento social

A Secretaria de Saúde estabeleceu à população as seguintes recomendações para conter o avanço da Covid-19:

  • Todas as pessoas com mais de 60 anos que não exerçam serviços essenciais (saúde, segurança,
    assistência social, entre outras), devem evitar comparecimento ao trabalho ou demais ambientes
    fechados. Recomenda-se sair de casa apenas para atividades essenciais (mercado, farmácia serviços
    de saúde) que não possam ser realizadas por outra pessoa do domicílio/cuidador.
  •  Recomenda-se a todas as pessoas sair de casa apenas para atividades essenciais.
  • Pessoas apresentando sintomas gripais e seus contatos domiciliares devem permanecer em
    isolamento domiciliar por 14 dias.
  • Mães amamentando não deverão suspender a amamentação. Porém, cuidados devem ser adotados
    como: Lavar as mãos antes de tocar o bebê; usar máscara cirúrgica durante as mamadas; evitar
    falar ou tossir durante a amamentação; trocar a máscara em caso de tosse ou espirro ou cada nova
    mamada.

Brasil

No país, segundo o Ministério da Saúde, há 13.717 casos confirmados do novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil com 667 óbitos.

Coronavírus

O vírus SARS-CoV-2, novo tipo de agente causador do Coronavírus, foi descoberto no final de 2019 na China, causando infecções respiratórias e ocasionando sintomas como febre, tosse e dificuldade para respirar.

A população deve estar em estado de alerta diante do contato com pessoas que apresentem os principais sintomas da doença, por meio de gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, toque ou aperto de mão, além de contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido do toque à boca, nariz ou olhos. Em caso de aparecimento desses sinais, é necessário procurar uma unidade de saúde.

No dia a dia, alguns hábitos podem ajudar na prevenção, como:

  • Lavar as mãos com água e sabonete (na falta, optar por desinfetante para as mãos à base de álcool) por pelo menos 20 segundos;
  • Evitar encostar nos olhos, nariz e boca sem higienizar as mãos;
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar;
  • Limpar objetos e superfícies tocados com frequência.

Ao informar-se sobre formas de propagação e tratamento do Coronavírus, é importante ter atenção à procedência dos dados que estão sendo veiculados. Por isso, preparamos uma lista de mitos e verdades sobre a doença.

Alimentos como chá, mel ou uísque podem prevenir o Coronavírus?
FALSO! – Segundo o Ministério da Saúde, até o momento, não há nenhum medicamento, substância, vitamina ou alimento específico que possa prevenir a infecção.

Posso transmitir o Coronavírus mesmo sem apresentar sintomas?
VERDADEIRO! – Dados preliminares do SARS-CoV-2, divulgados pelo Ministério da Saúde, sugerem que a transmissão pode ocorrer mesmo sem o aparecimento de sinais e sintomas. Porém, até o momento, não há informações concretas sobre quantos dias anteriores ao início dos sintomas a pessoa infectada passa a transmitir o vírus.

O ar do plástico bolha vindo da China traz o Coronavírus?
FALSO! – De acordo com o Ministério da Saúde, não há evidências de que produtos enviados da China para o Brasil tragam o novo coronavírus, já que, geralmente, ele não sobrevive mais de 24 horas fora do organismo humano ou de algum animal.

O Coronavírus foi criado em laboratório e é semelhante ao vírus HIV?
FALSO! – O Ministério da Saúde esclarece que não há registros científicos que comprovem essas informações.




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:







COMENTE: