Banner Granja Regina

Quando e como ter aquela conversa sobre sexo com os filhos

Conversamos com psicóloga Márcia Helena Nogueira para te ajudar nessa tarefa

24 de outubro de 2016

Conversar sobre sexoConversar sobre sexo é complexo, delicado e até mesmo constrangedor para alguns pais. Mas são válidas todas as tentativas de abordar o assunto, para estabelecer uma relação familiar mais segura, garante a psicóloga Márcia Helena Nogueira.
Procrastinação pode ser um sinal de problemas
Projeto inovador permite aos irmãos visitarem os bebês na UTI Neonatal
Profissionais da saúde são premiados em Fortaleza
“Sentindo que existe um espaço para conversas francas o filho se sente mais seguro. Percebe os pais disponíveis e assim criam-se laços de uma confiança mais fortalecida”, explica Márcia. É interessante que o diálogo sobre o tema, aconteça simultaneamente ao momento em que a criança começa a ter conhecimento sobre seu corpo. Quando ela começa a nomear e conhecer quais são suas funções. Assim, ela se torna mais amadurecida e começa a entender sobre as questões biológicas que envolvem nosso organismo.

 

Quando conversar sobre sexo

 

Respeitar a curiosidade da criança e, a partir daí, iniciar o diálogo sobre sexo através de suas perguntas, é o mais indicado. Porém, pode ocorrer dessas perguntas não acontecerem. Nesse caso, os pais podem tomar a iniciativa, caso observem a necessidade da criança saber sobre o assunto. “É importante que a criança não se veja impossibilitada de saber sobre o tema. Como se ela fosse proibida de ter esse conhecimento”, alerta Márcia.

 

Como falar sobre sexo

 

É importante levantar o assunto aos poucos, pois a criança trará o tema de forma gradativa. O que possibilitará que ocorra mais de uma conversa sobre o assunto. O que acaba sendo mais tranquilo para ambos, pois proporcionar que os pais reflitam sobre as respostas a serem dadas. Podendo estar mais preparados. E esse processo poderá ter um viés educativo mais eficaz. Embora seja sabido que temos uma cultura onde o sexo é visto como um assunto tabu, existem maneiras de incluí-lo na dinâmica familiar. “Através de uma fala simples e que se atenha ao que a criança perguntou preferencialmente”, completa.

 

Dicas da psicóloga

 

1- Dizer a verdade é fundamental, e não há necessidade de incrementar a resposta. Foque no que foi perguntado!

Por exemplo: se seu filho perguntar o que é uma camisinha, responda que é um meio de se prevenir de doenças mais sérias. É uma resposta coerente e verdadeira e, dependendo da idade da criança, poderá ser a resposta suficiente.

2- O importante é que a criança não fique sem resposta.

Isso pode fazê-la pensar que os pais não sabem sobre o assunto e, com o passar do tempo, fazer com que essa criança procure respostas em outros locais.

3- Nem sempre você terá as respostas na ponta da língua e é interessante dizer a criança que vai pesquisar sobre o assunto junto com ela.

Isso poderá proporcionar mais segurança na hora de explicar determinado assunto e fará com que a criança perceba que os pais podem aprender juntamente com ela, aumentando a cumplicidade entre todos.

4- A linguagem a ser utilizada deve estar de acordo com a faixa etária.

No caso de crianças, utilizar uma linguagem simples e infantil, não há problema em dizer que alguns detalhes poderão ser conhecidos quando elas forem adultas. A medida em que essa criança vai crescendo, a linguagem “cresce” junto com ela. Os temas vão ficando mais complexos, específicos e vão requerer maior esclarecimento por parte dos pais.

5- Abordar o tema em casa não estimula um vida sexualmente ativa precoce.

Existem estudos que demonstram que jovens que tiveram a oportunidade de uma educação sexual bem orientada, retardaram mais o início da vida sexual ativa, optando pelo melhor momento, como também a pessoa com quem dividiriam esse momento íntimo, numa relação mais pensada, em comparação com jovens que não receberam uma educação sexual realmente eficiente, e que acabaram antecipando esse momento.

 

Serviço

 

Márcia Helena Nogueira
Psicóloga
Clínica Humanittas
Clínica de cuidados psicológicos
(85) 999028652 | (85) 98184.1318




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:







COMENTE: