Banner São Luiz – Miguel Dias

Botox é usado para controlar transpiração excessiva

Médica dermatologista Hercilia Queiroz explica como a toxina butolínica age para combater a hiperidrose

23 de julho de 2019
médica dermatologista Hercilia Queiroz

A médica dermatologista Hercilia Queiroz explica que o botox pode ser uma ótima opçõa para controlar a hiperidrose.

Você sofre com suor excesso mesmo estando em repouso? Saiba que tem jeito para reduzir esse suor! Quem sofre com o principal sintoma da hiperidrose sabe quão constrangedor pode ser suar o tempo todo mesmo em ambientes bem refrigerados. Mãos, pés, testa e axilas são as partes do corpo mais acometidas. A toxina botulínica, mais conhecida como (Botox) tem eficácia no combate à transpiração excessiva. A médica dermatologista Hercilia Queiroz explica que o botox bloqueia fibras colinérgicas simpáticas pós-ganglionares na região das glândulas sudoríparas, o que ajuda a controlar a sudorese bloqueando a transmissão nervosa.

> Os principais acessórios para potencializar o treino de Pilates

Botox

Nos últimos anos, a aplicação da toxina botulínica tem se mostrado eficaz para tratar hiperidrose. A médica dermatologista Hercilia Queiroz explica que o botox bloqueia fibras colinérgicas simpáticas pós-ganglionares na região das glândulas sudoríparas, ou seja, ajuda a controlar a sudorese bloqueando a transmissão nervosa.

> Jericoacoara recebe primeira competição de crossfit 
> Crossfit requer dieta especial para otimizar os resultados

Hercilia destaca que a terapia deve ser analisada e recomendada pelo médico especialista, conforme a necessidade de cada paciente: “Vários estudos demonstraram sua eficácia, segurança e boa tolerabilidade como opção aos tratamentos tópicos, sistêmicos ou cirúrgicos. O FDA (Food and Drug Administration) atualmente aprova o uso da toxina botulínica tipo A como terapia, mas somente para hiperidrose axilar”.

A médica aponta que, aproximadamente, dois terços dos pacientes com hiperidrose relatam história familiar positiva, sugerindo a participação de fatores genéticos. Nos Estados Unidos, um estudo epidemiológico mostrou que 2,8% da população sofre de hiperidrose, sendo cerca de metade na região axilar.

O estresse se correlaciona as crises de hiperidrose. A dermatologista ressalta ainda que o suor excessivo pode levar a uma grande variedade de condições médicas secundárias, como supercrescimento bacteriano ou de fungos, câimbras musculares e eczemas, além de ansiedade e outros distúrbios psicológicos.




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:







COMENTE: