NOVO BANNER SEGOV – maio – 2021

UPA Praia do Futuro atende quase 10 vezes mais casos de ferimentos causados por caravelas

Saiba como proceder em caso de queimaduras com águas-vivas/caravelas

6 de setembro de 2021

[CARAVELAS] De julho a agosto deste ano, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h) Praia do Futuro registrou um aumento de quase dez vezes nos atendimentos de pacientes feridos por caravelas-portuguesas — animais marinhos que apresentam bolsa de cor púrpura ou azulada e que pertencem ao mesmo grupo das águas-vivas.

De acordo com a coordenadora de Enfermagem da unidade, Ismênia Marques, “somente no último domingo de agosto, foram 20 ocorrências”, diz. No Ceará, a maior frequência de caravelas ocorre no segundo semestre, período de ventos fortes que faz com que elas sejam transportadas até a faixa de areia.

> Certificado Nacional de Vacinação já pode ser emitido pela internet

Principais sintomas:

Segundo a coordenadora médica da unidade, Alessandra Leitão, os principais sintomas de quem é ferido por águas vivas e/ ou caravelas são dor com sensação de queimação e vermelhidão no local da ferida. “Quando chega à UPA, o paciente passa por uma avaliação. Em seguida, o profissional de saúde faz uma lavagem no local e insere analgésicos. Após isso, o paciente recebe orientações de cuidados para evitar infecção e depois é liberado”, detalha.

> Infectologista explica as principais diferenças entre as variantes

Como proceder em caso de acidentes com caravelas:

Em casos mais simples, o banhista consegue amenizar a dor do ferimento ao lavar o local com água do mar e vinagre, sem esfregar. Compressas com água do mar e com soro fisiológico gelado, que possuem efeito analgésico e impedem que o veneno do animal siga entrando na pele, também aliviam o desconforto.

O ferimento provocado pela caravela não é queimadura, como muitos pensam, mas um envenenamento da pele causado pelas toxinas liberadas pelos tentáculos do animal, causando dor forte, inchaço e ardência.

Caso a vítima sinta sintomas como vômitos, náuseas, cãibras musculares ou dificuldade para respirar ou engolir, dor no peito ou na cabeça, bem como qualquer reação intensa ou em casos de alergias, é indicado que o banhista procure uma UPA 24h ou outra unidade de saúde mais próxima. Não é recomendado usar sabonete ou álcool na área afetada.

O que fazer em caso de queimaduras:

O Corpo de Bombeiros do Ceará orienta que, no caso de ser tocado por um desses animais, o banhista use a própria água do mar, vinagre ou soro fisiológico gelado para limpar o local, pois eles impedem que o veneno do animal siga entrando na pele e alivia a dor.

Uma dica é procurar um posto de guarda-vidas para ter orientações.
Em caso de pessoas com alguma predisposição alérgica, que apresentarem dores pelo corpo, mal-estar ou vômito, é preciso ficar atento e buscar atendimento médico imediatamente.

O que NÃO se deve fazer se for queimado por água-viva:

– Encostar na área afetada, pois pode queimar a mão e espalhar o veneno para outras partes do corpo;
– Jogar água doce no local, isso só irá potencializar a ação do veneno;
– Coçar e esfregar.

 

 




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:







COMENTE: