Greenlife Academias 2022

Histopatologia ajuda na identificação precoce de doenças como o câncer

Saiba como é feito o exame

8 de junho de 2022
No exame, de Histopatologia, o patologista realiza o estudo de uma amostra de tecido da área afetada. (Foto: Canva Pro).

No exame, de Histopatologia, o patologista realiza o estudo de uma amostra de tecido da área afetada. Imagem meramente ilustrativa (Foto: Canva Pro).

A medicina tem procurado desenvolver melhores formas de identificar doenças de maneira mais ágil e menos invasiva ao paciente. Muitos são os fatores que precisam ser analisados para realizar o diagnóstico correto. Sintomas, exames, histórico clínico, dentre outros fatores, são necessários para o médico conseguir identificar a enfermidade do paciente. Atualmente, a histopatologia aparece como uma solução para diagnósticos de doenças silenciosas, as mais difíceis de se identificar.

> Confira os principais cuidados na hora de praticar Beach Tennis e evite lesões

Histopatologia

Diversas doenças podem ser diagnosticadas através do exame histopatológico. O câncer do colo do útero é uma delas, uma vez que a colposcopia apenas revela alterações suspeitas, mas não confirmam a presença ou ausência de câncer. Também conhecida como histologia patológica, a histopatologia estuda como uma doença afeta um conjunto de células. Através dessa pesquisa, se identifica como a doença age no grupo celular, logo, se torna possível o diagnóstico da doença quando se encontram células afetadas pela mesma patologia.

> Osteonecrose da cabeça do fêmur: doença atinge pacientes mais jovens

Através da biópsia, o patologista realiza o estudo de uma amostra de tecido da área afetada. O procedimento pode retirar todo o tecido lesionado ou parte dele. O médico avalia aspectos como tamanho e tipo da lesão, localização do tumor e quantidade, além do histórico médico do paciente, para definir que tipo de biópsia realizar. As principais são: biópsia por agulha fina, por agulha grossa, do linfonodo (caso eles estejam comprometidos), e cirúrgica (exame em que se opta por sua realização no bloco cirúrgico, com anestesia geral, onde se remove parte ou a totalidade do tumor para análise laboratorial).

Após retirada, a amostra é imediatamente colocada em uma solução fixadora de formol a 10%, enviada ao laboratório para ser cortada em fatias de micras e corado inicialmente pelo método padrão de coloração. Vale ressaltar que, para elaborar um laudo histopatológico correto, é fundamental a correlação do histórico clínico com o exame microscópico. Para o ginecologista e obstetra João Paulo, a histopatologia tem ajudado no diagnóstico precoce de doenças como o câncer de colo do útero. “Quanto mais cedo se identificar esse tipo de câncer, mais fácil será a cura e menos será comprometido o útero e a fertilidade da paciente”.




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:




LEIA MAIS:




COMENTE: