BANNER FORTALEZA CAPACITA

Síndrome pós Covid provoca queda de cabelo

A doença é multifatorial e precisa ser acompanhada de forma criteriosa

29 de setembro de 2021

 A queda de cabelo pós covid é chamada de eflúvio telógeno e acomete cerca de 30% dos pacientes que tiveram covid-19. A queda de cabelo faz parte de um conjunto de sintomas que caracteriza a síndrome pós covid.

Fiocruz conclui pré-validação do IFA nacional da vacina covid-19

De acordo com a médica especialista em Tricologia Médica, Priscila Brandão, a covid-19, por se tratar de uma doença que consome grande parte das reservas energéticas, promove um déficit protéico de vitaminas e minerais e isso influencia diretamente na queda capilar.

A especialista destaca que a covid compromete a parte vascular, devido à formação de microêmbolos, que impede o aporte sanguíneo adequado para a nutrição dos folículos, e consequentemente, a formação de haste, o que também leva à queda capilar.

Estrutura capilar

A haste capilar é formada por 28% de oxigênio. O paciente com covid-19, tem uma maior demanda de O2 para os órgãos vitais, fazendo com que a oxigenação capilar fique comprometida. Além disso, outro fator é o altíssimo nível inflamatório em todo o corpo que contribui para a queda capilar.

> Fiocruz cria teste molecular para hanseníase inédito no Brasil

A médica enfatiza que a queda capilar é multifatorial e precisa ser acompanhada de forma criteriosa. Segundo Priscila Brandão, o procedimento indicado para o tratamento é avaliar os exames, que são solicitador na primeira consulta, e, a partir dos resultados, é iniciada a suplementação de vitaminas que pode ser via oral ou injetável, dependendo do déficit apresentado.

Tratamento – queda capilar

Logo após, o tratamento segue a etapa do aparelho de LED/LASER, que estimula o crescimento capilar e aumenta a vascularização do couro cabeludo, deixando assim, o meio propício para receber a mescla que será injetada no couro cabeludo. Essa mescla é desenvolvida no momento da aplicação de acordo com o que é visto na tricoscopia do paciente.

“É importante conscientizar o paciente, que mesmo iniciado o tratamento a queda deverá persistir pelo menos por dois ou três. Contudo, os fios já estão sendo cuidados, em fase anágena para que cresçam fortes e saudáveis. Geralmente o paciente acometido busca apoio e alguém que consiga entender a sua dor e que se preocupe com a sua queda de cabelo tanto quanto ele”, destaca a médica.

 




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:







COMENTE: