Greenlife Academias novemrbo 2020

Fortaleza chega à quarta fase do plano de reabertura de atividades

A Capital contará, ainda, com outras três etapas que não estavam previstas no plano inicial

20 de julho de 2020

A quarta fase do Plano Responsável de Abertura das Atividades Econômicas e Comportamentais do Governo do Ceará tem início nesta segunda-feira (20) em Fortaleza. Nesta nova etapa, as seguintes atividades voltam a funcionar:

  • Autoescolas com funcionamento integral;
  • Transporte rodoviário interestadual;
  • Defesa de direitos sociais e serviços de assistência social sem alojamento, com funcionamento integral;
  • Restaurantes, com funcionamento até às 23h;
  • Comércio de produtos não essenciais, com funcionamento integral;
  • Cerimônias religiosas, com funcionamento integral.

> Brasil ultrapassa marca de 2 milhões de infectados por Covid-19

> Covid-19: Transportes intermunicipais voltam a funcionar no Ceará

Porém, o avanço ainda contará com algumas restrições. De acordo com o governador Camilo Santana, “como uma questão de prevenção, e para não ocorrer o que aconteceu em outras partes do mundo, que abriram e depois tiveram de fechar tudo de novo, cinco setores não serão incluídos na 4ª fase do plano de retomada da economia, são eles as aulas presenciais, os cinemas, bares, academias e shows”, conforme divulgado no portal oficial da Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa).

Por isso, de acordo com o coordenador do Plano, Flávio Ataliba, serão estabelecidas novas fases para o plano. Mais informações devem ser divulgadas ainda esta semana.

Com a chegada da fase 4, as atividades econômicas já retornam em 95%. De acordo com a Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa), com o retorno pleno das atividades, 1.472.504 empregos formais voltarão a circular.

O plano iniciou com uma fase de transição, que iniciou em 1º de junho e contemplou 17 setores que voltaram ao funcionamento em trabalho presencial, variando entre 20% e 30% do efetivo. A primeira fase permitiu que mais atividades voltassem a funcionar, com as cadeias produtivas contando com 40% dos seus empregados. A segunda caracterizou-se, principalmente, pela reabertura de restaurantes, templos religiosos e o retorno da prática de atividades físicas, mesmo com restrições. A terceira, que antecedeu a atual, permitiu a reabertura de barracas de praia e jogos de futebol profissional.

Interior do Ceará

No interior, os municípios das macrorregiões de saúde do Litoral Leste/Jaguaribe e do Cariri irão permanecer na fase 1 do plano. A macrorregião Sul permanecerá em fase de transição, mantendo Barbalha, Crato, Juazeiro do Norte, Brejo Santo e Iguatu em isolamento rígido.

Decreto de isolamento social

Março:

  • Em 11 de março, a Organização Mundial da Saúde (OMS), declara pandemia de Covid-19, alegando que a doença já estava espalhada por diversos continentes com transmissão comunitária entre as pessoas.
  • Em 15 de março, a Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa) anunciou os três primeiros casos confirmados de Covid-19 no Ceará. Todos os infectados estavam na capital.
  • Em 16 de março, durante reunião do Comitê Estadual de Enfrentamento ao Coronavírus, o Governo determinou Estado de Emergência de Saúde Pública no Ceará. Dentre as medidas estabelecidas, estava a suspensão de qualquer evento público no Ceará acima de 100 pessoas.
  • Em 19 de março, inicia o processo de isolamento social no Ceará. A medida começou orientando que os cearenses permanecessem em casa durante 10 dias, para evitar a transmissão do vírus entre os cidadãos.
  • Em 26 de março, a Sesa divulgou a confirmação de três óbitos por Covid-19 no Ceará. Na época, o Ceaá registrava 211 casos da doença.
  • Em 29 de março, o governador anuncia, por meio de transmissão ao vivo pelas redes sociais, a prorrogação do Decreto Estadual que previa o isolamento social por mais sete dias.

Abril:

  • Em 5 de abril, o decreto é prorrogado por mais 15 dias. Segundo o Governador, a medida foi tomada levando em consideração questões técnicas e científicas.
  • Em 6 de abril, o secretário de saúde do Ceará, Dr. Cabeto, anuncia novas estratégias, como distribuição de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para profissionais de saúde e ampliação de testes em Fortaleza.
  • Em 19 de abril, Camilo Santana prorroga o isolamento social por mais 15 dias. “Nossa prioridade tem sido preservar a vida dos cearenses e minimizar os efeitos da pandemia para a nossa população”, afirma.

Maio:

  • Em 5 de maio, o isolamento é prorrogado por mais 15 dias e são divulgadas novas medidas de enfrentamento. Entre elas, estava a obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção e o isolamento social rígido.
  • Em 6 de maio, torna-se obrigatório o uso de máscaras de proteção.
  • Em 8 de maio, torna-se proibida a circulação de pessoas veículos em espaços públicos como praias, praças, calçadões e parques. A exceção se aplicava apenas se fosse apresentada alguma justificativa, como busca aos serviços essenciais. A fiscalização era feita por agentes da Secretaria de Saúde, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Polícia Rodoviária Estadual e Detran, além de agentes municipais de fiscalização.
  • Em 20 de maio, o isolamento social rígido é prorrogado na Capital;
  • Em 29 de maio, o governador Camilo Santana anuncia o Plano Responsável de Abertura das Atividades Econômicas e Comportamentais, que autoriza o retorno do funcionamento de alguns setores.

Junho:

  • Em 1 de junho, inicia-se a fase de transição do Plano Responsável de Abertura das Atividades Econômicas e Comportamentais do Governo do Ceará, com 17 setores retornando às atividades, variando de 20 a 30% do efetivo.
  • Em 8 de junho, inicia-se a primeira etapa do Plano, prevista para durar 14 dias.
  • Em 22 de junho, inicia-se a segunda etapa do plano, prevista para durar 14 dias.

Julho:

  • Em 6 de julho, inicia-se a terceira etapa do plano, prevista para durar 14 dias.
  • Em 20 de julho, inicia-se a quarta etapa do plano.

Situação no Ceará

Até o momento da publicação desta matéria, de acordo com a plataforma IntegraSUS, foram registrados 147.566 casos confirmados da doença e 7.185 óbitos no Estado.




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:







COMENTE: