Banner São Luiz – Miguel Dias

Dengue: um inimigo antigo que precisa ser combatido

Em 2019, foram registrados mais de 15 mil casos de dengue no Ceará e 13 óbitos, de acordo com a Secretaria de Saúde do Estado

9 de abril de 2020
No Brasil, a dengue tem mais incidência nas regiões Sudeste e Nordeste

No Brasil, a dengue tem mais incidência nas regiões Sudeste e Nordeste

Devido à quadra chuvosa, é comum que ocorra o aumento de casos de dengue, doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. De acordo com a Secretaria de Saúde do Estado do Ceará (Sesa), entre janeiro e março deste ano, foram registrados 816 casos de dengue no Estado. Em 2019, foram contabilizadas, até 28 de dezembro, 15.110 ocorrências, sendo 13 que resultaram em óbitos.

As arboviroses, como podem ser classificadas doenças como a dengue, ocorrem com maior frequência nas áreas tropicais e subtropicais do planeta. No Brasil, tem incidência maior nas regiões Sudeste e Nordeste. A grande preocupação para o ano de 2020 é o pico do número de registros de dengue no Ceará, com tendência histórica para acontecer por volta do mês de abril, junto ao cenário de pandemia em decorrência do novo coronavírus. Com isso, será necessário um maior preparo das unidades de saúde para atendimento dos pacientes.

Sintomas

Os principais são febre alta (maior que 38.5ºC), dores musculares intensas e ao movimentar os olhos, mal-estar, falta de apetite, dor de cabeça e manchas vermelhas no corpo.

Em caso de aparecimento dos sintomas, é necessário procurar o posto de saúde ou a Unidade de Pronto Atendimento 24 horas (UPA) mais próxima de casa.

Prevenção

Segundo a Sesa, os lares são o ambiente mais propício para a proliferação do mosquito. Por isso, aproveite o período de quarentena para realizar manutenções onde você mora. Confira algumas dicas:

  • Guarde garrafas sempre de cabeça para baixo;
  • Coloque o lixo em sacos plásticos e mantenha a lixeira bem fechada. Jamais jogue o lixo em terrenos baldios;
  • Encha de areia até a borda os pratinhos dos vasos de planta;
  • Lave as vasilhas de água dos seus bichinhos de estimação, passando uma esponja ou escova com sabão nas bordas pelo menos uma vez por semana;
  • Mantenha bem tampados tonéis, barris e a caixa d’água;
  • Não deixe a água da chuva acumulada sobre a laje e remova folhas, galhos e tudo que possa impedir a água de correr pelas calhas.



QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:







COMENTE: