Câmara Municipal de Fortaleza- Campanha Camara 10 de maio 2022

Vacina contra chikungunya desenvolvida por parceira do Butantan mostra 98,5% de eficácia em testes

Os resultados são promissores

10 de agosto de 2021
A vacina contra chikungunya está cada vez mais perto. (Foto: reprodução).

A vacina contra chikungunya está cada vez mais perto. (Foto: reprodução).

A vacina contra a chikungunya que está sendo desenvolvida pela farmacêutica francesa Valneva, parceira do Instituto Butantan, mostrou resultados animadores nos ensaios clínicos de fase 3 realizados nos Estados Unidos. O imunizante, chamado internacionalmente de VLA1553, foi testado em 4.115 pessoas e gerou anticorpos neutralizantes em 98,5% dos voluntários 28 dias após a aplicação da dose única.

> Governo do Ceará, UECE e Fiocruz firmam acordo para desenvolvimento de vacina cearense

A candidata a vacina foi premiada com a designação de revelação (Breakthrough Designation) pela Food and Drug Administration (FDA), agência regulatória norte-americana. Além disso, os ensaios clínicos mostraram que o imunizante é bem tolerado em todas as faixas etárias.

“O resultado da fase 3 para a vacina significa que estamos um passo mais perto de combater essa ameaça de saúde pública. Vamos continuar trabalhando para trazer a vacina ao mercado o mais rápido possível”, comentou o diretor médico da Valneva, Juan Carlos Jamarillo.

> Sesa confirma mais dois casos de variante Delta e recomenda autoquarentena

VACINA

A Valneva e o Instituto Butantan já têm um acordo firmado para o desenvolvimento, fabricação e comercialização da vacina contra a chikungunya no Brasil.

A VLA1553 é, até o momento, a única vacina contra essa doença que está na fase 3 dos ensaios clínicos. O imunizante já tinha demonstrado ótimos resultados nas etapas anteriores de pesquisa: na fase 1, houve 100% de soroconversão nos 120 voluntários, e os anticorpos foram mantidos mesmo depois de um ano. A partir desses resultados, o estudo avançou diretamente para a fase 3.

A previsão é que os resultados finais dos ensaios clínicos sejam divulgados em seis meses.

*Com informações do Instituto Butantan.




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:







COMENTE: