câmara julho

Pesquisa registra segundo caso de cura do vírus HIV no mundo

O estudo se baseou na realização de um transplante de células-tronco entre o portador do vírus e doadores resistentes ao HIV

12 de março de 2020
O caso foi registrado em Londres, no Reino Unido

O caso foi registrado em Londres, no Reino Unido

Uma pesquisa realizada por cientistas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, aponta a cura do vírus HIV em um paciente de 40 anos após a realização de um transplante de células-tronco.

O estudo, publicado no periódico científico The Lancet HIV, teve como objetivo acompanhar a trajetória do vírus no organismo de um paciente com HIV que foi submetido a um transplante de medula óssea. Conhecido como “paciente de Londres”, Adam Castillejo, de 40 anos, possuía câncer de sangue e recebeu células de portadores de uma mutação genética que torna o gene resistente ao HIV.

> 3 coisas que você precisa saber sobre a AIDS e o vírus HIV

> Previna-se contra as principais Doenças Sexualmente Transmissíveis

> Doenças sexualmente transmissíveis podem comprometer a fertilidade

O procedimento permitiu, portanto, que o vírus se tornasse incapaz de se reproduzir no organismo, já que as células imunológicas do paciente foram substituídas pelas que foram transplantadas. Em 2019, foi relatado que o vírus estava em remissão. Porém, no estudo mais recente, constatou-se que, de fato, a cura havia sido estabelecida, 30 meses depois de ele interromper o tratamento antirretroviral contra o HIV. Apesar da constatação, ainda foram identificados restos de DNA do vírus nas amostras de tecidos, mas que são incapazes de reproduzi-los. Além do transplante, o paciente passou por um tratamento com quimioterapia.

Ainda assim, o caso ainda será monitorado regularmente, para a verificação de um possível reaparecimento do vírus.

“Paciente de Berlim”

Esse é o segundo registro de cura de HIV registrados no mundo. O primeiro foi realizado em 2011, com o americano Timothy Ray Brown, conhecido como “paciente de Berlim”. Nesse caso, diferentemente do “paciente de Londres”, foi realizado um procedimento com radiação, além de dois transplantes de células-tronco.




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:







COMENTE: