Barbara Palomares Instituto

Período de festa junina gera alerta para o uso de fogos de artifício

Confira as dicas para não se envolver em nenhum acidente e o que fazer em caso de queimaduras

13 de junho de 2019
Fogos de artifício são as atrações das festas juninas espalhadas pelo nordeste.

Fogos de artifício são as atrações das festas juninas espalhadas pelo nordeste.

A celebração das festas juninas com fogos de artifício faz parte da cultura nordestina. Porém, o período festivo também é marcado por diversos acidentes por uso indevido desses artefatos. De acordo com a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT). Uma em cada 10 pessoas tem um de seus membros superiores amputados ao manusear fogos de artifício. E dos cerca de 120 mortos nos últimos anos, 24 eram crianças com menos de 14 anos de idade.

> Em menos de dez anos, obesidade infantil pode atingir 11,3 milhões de casos no Brasil

> Junho vermelho: campanha destaca a importância para doação de sangue

> Tabagismo é responsável por mais de dois terços dos casos de câncer de pulmão no mundo

> Síndrome Metabólica: a consequência dos excessos

Com base nesses dados alarmantes, a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia do Ceará (SBOT-CE) está promovendo uma campanha em todos os seus canais de comunicação para conscientizar a população sobre como prevenir altos índices de traumas e queimaduras durante as festas juninas.

A campanha é feita em parceria com a Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão (SBCM) e Conselho Federal de Medicina (CFM) e conta com o apoio do Ministério da Saúde e Associação Médica Brasileira (AMB). Os principais problemas envolvendo fotos de artifício são a perda dos dedos e até da mão devido à explosão do artefato. Segundo o Sistema de Informação Hospitalar (SIM), nos últimos dez anos, 5063 pessoas foram internadas para tratamento por acidentes com fogos de artifício. O Ceará é o sétimo estado com maior número de casos.

Para se divertir com segurança, a SBOT-CE recomenda:- Participar de queimas de fogos públicas, pois são mais seguras.

– Só comprar o produto em lojas especializadas e certificadas.

– Escolher versões menos explosivas, de fácil manuseio, dentro do prazo de validade e com certificado de garantia.

– Optar por fogos que têm base de encaixe para ser fixada no chão

– Fazer a soltura ao ar livre, a 30 metros de distância, e verificar se não existem substâncias inflamáveis nem rede elétrica nas proximidades.

– Jamais fazer experiências ou modificar os explosivos.

– Orientar as crianças a estourar as bombinhas e os estalinhos longe da fogueira, de substâncias inflamáveis, de pessoas e de objetos que podem quebrar e se estilhaçar (caso de garrafas de vidro e latas de refri).

– Não carregar os artefatos nos bolsos, já que eles podem explodir acidentalmente.

O que fazer em caso de acidente?

– Acione o Corpo de Bombeiros pelo telefone 193 ou o SAMU de sua cidade pelo 192.

– Lave as queimaduras com água fria ou soro fisiológico e envolva com um pano úmido.

– Em caso de amputações, colocar o membro em um saco plástico e, depois, dentro de um recipiente com gelo e levar o acidentado imediatamente ao pronto-socorro.

 




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:







COMENTE: