câmara – fev – mar – 2020

Congelamento de óvulos é opção para mulheres modernas

A técnica é uma opção para mulheres que querem ser mães após os 40

30 de janeiro de 2020
congelamento de ovulos

Congelamento de óvulos para mulheres que querem ser mães após os 40.

Cada vez mais mulheres estão dando a luz após os 40 anos. Esse fato é comprovado por dados do próprio Ministério da Saúde, que afirma que entre 1998 e 2017, o número de mamães nessa faixa etária (40-44 anos) no Brasil, aumentou em 50%. Tendência ou não, o fato é que as mulheres estão em busca de realizar o sonho da maternidade, não importando a idade.

Para a médica e especialista em medicina reprodutiva Lilian Serio, a medicina tem sido um grande aliado nessas horas. “Hoje a mulher tem a escolha de decidir qual o seu melhor momento para dar início a maternidade. Com o apoio da medicina, ela tem a possibilidade de atrasar o sonho, se ela quiser, por exemplo, através do congelamento de óvulos”, afirma.

> Como a doença celíaca pode afetar a fertilidade 

> Intolerância ao glúten: principais sintomas e tratamento

> Como a fertilidade de homens e mulheres é afetada pela alimentação

Paola Oliveira, Ivete Sangalo, Ana Carolina, Luciana Gimenez e Karina Bacchi, são algumas das celebridades que congelaram os óvulos. Algumas delas já realizaram o sonho da maternidade, como é o caso por exemplo de Sangalo e Bacchi com a técnica da fertilização in vitro.

Independentemente da motivação para adiar a maternidade, a técnica de congelamento de óvulos tem ganhado cada vez mais espaço. Para conseguir congelar os óvulos, as mulheres precisam passar, inicialmente, por uma estimulação ovariana. “Durante o procedimento, a mulher recebe os hormônios, para aumentar a produção de óvulos. esse momento pode durar, em média, de 11 à 14 dias”. Afirma a Dra. Lilian.

> Câncer: como a alimentação pode prevenir a doença
> Endometriose: saiba mais sobre essa doença silenciosa e devastadora

Congelamento de óvulos:

Para a especialista em medicina reprodutiva, este procedimento pode ser fortemente indicado em dois momentos. Um deles é quando, por exemplo, há a necessidade de um tratamento quimioterápico para combater um câncer. “Dependendo do quão forte é o tratamento, a quimioterapia afeta a produção dos hormônios, tanto no homem como na mulher, incidindo também na  fertilidade”, afirma médica.

Tratamentos de câncer de mama, por exemplo, é um dos que podem afetar a fertilidade da mulher. No país, dados do Ministério da Saúde revelam que no biênio 2018/2019, foram quase 60 mil novos casos no Brasil. “É preciso avaliar junto com o médico se há riscos, antes de realizar o tratamento. Se houver, é preciso que a paciente avalie o desejo de se tornar mãe. Se esse desejo for latente, o congelamento dos óvulos é uma opção para ela”, completa Lilian.

Outra indicação é para mulheres que desejam adiar a gravidez. “Aqui temos diversos fatores. Pode ser a busca de uma carreira profissional, uma segurança financeira familiar, até mesmo a vontade de se sentir mais segura. O que está aqui é desejo da mulher, o controle de quando quer ser mãe”, pondera a especialista.




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:







COMENTE: