Banner Assembleia- novembro

Campanha Dezembro Vermelho: combate ao preconceito e luta por conscientização

Em 2018, o Ceará todo registrou 247 óbitos pela doença, segundo o Boletim Epidemiológico de HIV/AIDS 2018

1 de dezembro de 2019
Dezembro Vermelho: A fim de orientar sobre o vírus e combater o preconceito, a campanha também busca por explicar a diferença entre o HIV e a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS). (Foto: Banco de Imagem)

Dezembro Vermelho: A fim de orientar sobre o vírus e combater o preconceito, a campanha também busca por explicar a diferença entre o HIV e a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS). (Foto: Banco de Imagem)

Neste mês acontece a campanha mundial Dezembro Vermelho com foco na prevenção do vírus HIV e da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS).

O intuito é destacar a importância de promover a assistência dos direitos humanos para as pessoas infectadas pelo vírus, além de conscientizar sobre os riscos que trazem essa e outras infecções sexualmente transmissíveis (IST). 

> Mais de 70% dos óbitos por hepatites virais são decorrentes da Hepatite C
> Diabéticos devem ter mais cuidado com o coração
> Unimed Ceará realiza neste mês o curso Gestação Saudável para clientes

A fim de orientar sobre o vírus e combater o preconceito, a campanha explica a diferença entre o HIV e a Aids e reforça as formas de tratamento e possibilidades de conviver com ambos. 

Diferença entre HIV e AIDS

O Ministério da Saúde aponta o HIV, sigla para “vírus da imunodeficiência humana”, como um retrovírus e uma Infecção Sexualmente Transmissível. 

Entre suas principais características estão o período de incubação prolongado antes do surgimento dos sintomas da doença, a infecção das células do sangue e do sistema nervoso e a supressão do sistema imune.

A AIDS é uma manifestação do vírus HIV, ou seja, o aparecimento de sintomas que atacam e enfraquecem o sistema imunológico. É possível que alguém seja soro positivo ou HIV positivo e não apresente os sintomas da doença, mas não o contrário. 

Sintomas

Após a infecção, segundo o MS, os primeiros sintomas são muito parecidos com os de uma gripe, como febre e mal-estar. Por isso, a maioria dos casos passa despercebida. Pode levar um tempo, até mesmo anos, para que outros sintomas mais sérios apareçam, como febre, diarreia, suores noturnos e emagrecimento. 

> 3 coisas que você precisa saber sobre a AIDS e o vírus HIV
> Novembro Azul: sobre conscientização e combate ao câncer de próstata

Por conta dessas características, é essencial se atentar para a prevenção. A necessidade de conscientizar sobre o uso de camisinha é sempre essencial e urgente, além de realizar os testes de detecção de sorologia com constância. O preservativo é o mais eficaz no combate ao HIV e a AIDS. 

Importância do tratamento com a PEP

A Profilaxia Pós-Exposição (PEP) funciona como estratégia para prevenir pessoas em situações de risco. O medicamento é gratuito e disponibilizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Ele funciona como parte da terapia antirretroviral (TARV) para evitar a multiplicação do vírus HIV no organismo. 

Segundo o Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das DSTs, do HIV/Aids e das Hepatites Virais, a profilaxia é prioritariamente ofertada para casos de violência sexual ou de exposição de risco ocasional. A eficácia da medicação é garantida para até 72 horas após a relação e precisa ser tomada durante o tratamento por 28 dias. 

Atenção: a PEP é direcionada para pessoas em situação de risco. Antes de tomar o medicamento, é necessário fazer um exame de sangue. Use camisinha SEMPRE! 

Mitos e verdades sobre o contágio 

A principal forma de contágio do vírus HIV  ainda são as relações sexuais sem o uso de preservativo. Entre outras formas comuns estão o compartilhamento de agulhas ou seringas, podendo ser as vias de transmissão sangue, sêmen, secreção vaginal e leite materno. 

No entanto, o preconceito ainda existe. É importante sempre reforçar que formas de contato como abraço, beijo ou aperto de mão NÃO transmitem a doença.

Serviços Ambulatoriais Especializados em HIV/Aids (SAE) 

A Prefeitura de Fortaleza oferece os Serviços Ambulatoriais Especializados (SAE), classificados como equipamentos para apoio de pessoas vivendo com HIV/Aids que contam com uma equipe multidisciplinar composta por profissionais de saúde. 

Os locais são direcionados para pessoas que estiveram em situações de risco, como ter feito sexo desprotegido ou compartilhado seringas, ou para quem apresentar sinais de IST como alterações nos órgãos sexuais, incluindo bolhas, verrugas, dores e sangramentos. 

Confira a lista de endereços dos SAE em Fortaleza: 

1 SAE Carlos Ribeiro

Rua Jacinto de Matos, 944

JACARECANGA 

 

2 Clínica Escola de Medicina da faculdade Christus

Rua Padre Antonio Tomaz , 3380,

COCÓ

 

3 Posto de Saúde Anastácio Magalhães

Rua Delmiro de Farias, 1670 

RODOLFO TEÓFILO 

 

4 SAE Hospital Nossa Sra. da Conceição

Rua 1018, 48,4ª Etapa

CONJUNTO CEARÁ I 

 

5 Serviços Ambulatoriais Especializados em HIV/Aids (SAE)

Avenida D, 440,2ª Etapa

PREFEITO JOSÉ VALTER 60750-030

 

6 SAE Hospital Distrital Gonzaga Mota

Washington Soares, 7700,

MESSEJANA 

 

7 Hospital e Maternidade Dra. Zilda Arns Neumann (Hospital da Mulher de Fortaleza) 

Av. Lineu Machado , 155,

JÓQUEI CLUBE 

 

8 NAMI Núcleo de Atenção Médica Integrada – UNIFOR

Rua Desembargador Floriano Benevides, 221,

EDSON QUEIROZ




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:







COMENTE: