Banner São Luiz – Miguel Dias

Academia na melhor idade: os principais benefícios da musculação para idosos

A prática de atividades físicas garante longevidade, saúde e disposição

14 de março de 2019
A prática de musculação durante a velhice pode ajudar o idoso mais saúde e autonomia. (Foto: Banco de dados)

A prática de exercícios deve ser uma prioridade para homens e mulheres de todas as idades. Para envelhecer com saúde, a praticar atividades físicas se torna fator essencial. Na modalidade musculação, a combinação de exercícios de fortalecimento e aeróbicos, principalmente, são necessários para garantir saúde física, emocional e longevidade.

>Greenlife Academia inaugura mais uma unidade em Fortaleza
> Outubro Rosa: ICC promove 3ª edição do Cocó Rosa & Azul
> Pílulas anticoncepcionais e os riscos para a saúde
> Novembro Azul: Prefeitura de Fortaleza inaugura Centro de Atenção à Saúde do Homem

“O envelhecimento é dividido de duas maneiras: Envelhecimento cronológico e envelhecimento biológico. Envelhecimento cronológico é a idade que seu corpo tem, seu tempo de vida. Já o envelhecimento biológico está relacionado à capacidade física do indivíduo”, explica a professora de Educação Física e personal trainer com foco no público da terceira idade, Cleane Vieira.

Segundo a professora, a musculação pode contribuir para uma velhice mais tranquila. Com a prática da atividade, há aumento da massa muscular, dos níveis de força, potência e equilíbrio. Isso proporcionará melhora na qualidade e na expectativa de vida.

Cleane afirma que, além disso, a musculação propicia maior independência para realizar tarefas da vida diária, como, fazer a higiene pessoal, sentar, levantar, manter a postura, carregar compras e transportar objetos.

Atividades físicas: idade não é restrição

A prática de exercícios é essencial para manter a qualidade de vida e a disposição para atividades do dia a dia, além de auxiliar no combate de doenças como obesidade e diabetes. “Todas as atividades físicas podem ser feitas, porém, deve-se respeitar as limitações. O ideal é que faça associação de treino, combinando força (exemplo: musculação) + cardio (ex: natação). Tudo deve ser planejado e acompanhado por profissional de educação física”, alerta o médico Fernando Guanabara.  

Segundo o médico , o ideal é optar por exercícios aeróbicos, que ajudem a proteger a estrutura corpórea contra a rigidez muscular. “A musculação, por exemplo, previne a sarcopenia (perda de músculo ou flacidez) e, consequentemente, também ajuda na prevenção de lesões e quedas”, explica.

Além disso, o acompanhamento de um profissional de educação física é essencial na prática dos exercícios. Segundo o profissional de educação física Breno Oliveira, a orientação pode evitar possíveis riscos para os idosos. “Desde que seja adaptado para a realidade do indivíduo, não existe um exercício contraindicado. Porém para esse grupo é recomendado que se evite atividades com alto impacto nas articulações e com grande risco de quedas. O mais prudente é realizar exercícios em um ambiente controlado e com o auxílio de um Profissional de Educação Física. Recomendo a musculação”, afirma.

Perda x ganho de massa muscular na terceira idade

Com a idade, há uma perda significativa de massa muscular e óssea. Segundo Breno, a musculação pode reverter isso. “A perda de massa muscular é chamada sarcopenia e de massa óssea osteopenia, e há ainda um terceiro chamado de dinapenia, que é a perda de potência muscular. Como a musculação promove o aumento da massa muscular, da massa óssea e de potência, esta acaba sendo uma excelente opção para reverter ou desacelerar tais processos”, aponta.

Mulheres com começo de osteoporose podem fazer musculação?

Devem! Segundo Cleane, a musculação é recomendada por ser um eficiente estímulo para o aumento de massa óssea sem apresentar os inconvenientes observados nos exercícios de salto. “Os benefícios dessa atividade para a massa óssea estão associados diretamente à tensão muscular (estresse mecânico), envolvendo a musculatura acionada. Idosos praticantes dessa atividade chegam a apresentar 40% a mais de tecido ósseo nas vértebras em relação aos sedentários. Além disso, o efeito auxilia não só o tratamento da osteoporose, mas também para a sua prevenção”, confirma a profissional.

Evite lesões: busque orientação profissional

Não tem segredo: o acompanhamento de um  profissional de educação física é o que vai garantir sua segurança nos treinos. “A primeira dica é conversar com seu professor. Parece óbvio, mas ele é o profissional capacitado para adaptar seu treino. Deixe-o informado sobre tudo, desconfortos musculares ou articulares, estalos, tonturas, etc. A segunda é ainda mais simples. Siga a risca o treino definido, não deixe de fazer os alongamentos, não pule o aquecimento, não aumente a carga ou faça mais repetições por conta própria, apenas seja um aluno disciplinado e estará mais seguro”, garante Breno.




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:




LEIA MAIS:




COMENTE: