Indaiá 3

Reconstrução mamária: mutirão no Hospital Universitário Walter Cantídio

Quarta dia 26 de outubro

25 de outubro de 2016

Reconstrução mamáriaReconstrução mamária: mutirão realizado no Hospital Universitário Walter Cantídio tem como objetivo zerar a fila de espera de pacientes de reconstrução tardia. A ação é uma iniciativa da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP). E aqui no Ceará, tem como parceiros o Hospital Universitário, a Universidade Federal do Ceará, a SBCP Regional Ceará e a Escola de Saúde Pública. A primeira etapa aconteceu no dia 24, e a segunda será no dia 26 de outubro, para as mulheres mastectomizadas (que retiraram uma ou ambas as mamas em razão do câncer de mama).

Como as mulheres diagnosticadas com câncer podem manter a fertilidade?
O poder dos alimentos na prevenção do câncer de mama
Após vencer câncer linfático, médica cearense funda grupo para apoiar outras vítimas da doença

Antes, a reconstrução mamária não era um direito garantido por lei. Atualmente, é parte integrante da proposta de tratamento para o câncer de mama implementada no Brasil. Por isso, 19 dessas mulheres terão a oportunidade de reconstruir uma ou ambas as mamas no Hospital Universitário Walter Cantídio, unidade de saúde do Ceará que recebeu o maior número de próteses do 2º Mutirão Nacional de Reconstrução Mamária. No Estado, participam também o Instituto do Câncer do Ceará (ICC), o Hospital Geral de Fortaleza (HGF) e o Hospital Geral Dr. César Cals (HGCC).

 

Reconstrução mamária

 

As pacientes que vão participar do mutirão já foram selecionadas e realizaram previamente todos os exames necessários para a cirurgia. Em todo o Brasil, a previsão é de que pelo menos 842 procedimentos sejam realizados em 98 hospitais do país. Ao todo, 18 unidades da Federação que contam com uma regional da entidade participam da ação. São elas: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Pará, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, além do Distrito Federal.

De acordo com o Dr. Vitor Muniz, chefe do Serviço de Cirurgia Plástica do HUWC, e o Dr. Salustiano Pessoa, chefe da Residência em Cirurgia Plástica do hospital, ações como essa são muito importantes para devolver a essas mulheres autoestima e qualidade de vida. “Estudos mostram que as mulheres reconstruídas têm menor chance de reincidir no câncer porque essas doenças estão relacionadas à produção de endorfina e ao equilíbrio emocional. Mulheres mastectomizadas são mais deprimidas, mutiladas, tristes. Mulheres reconstruídas retomam seu relacionamento afetivo, encontram um ponto de equilíbrio psicoafetivo e uma melhora do humor e do estado depressivo”, avalia Luciano Chaves, presidente da SBCP.

 

Realidade no Brasil

 

Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, o Brasil registra cerca de 50 mil casos de câncer de mama anualmente. Desses, em torno de 12 mil pacientes morrem após o diagnóstico. Dos outros 38 mil, cerca de 5 mil conseguem fazer a reconstrução mamária pelo convênio ou plano de saúde, enquanto mais de 30 mil mulheres dependem da rede pública para o procedimento.

“Todos os anos, acumulamos aproximadamente entre 25 mil e 27 mil mulheres que ficam sem realizar a reconstrução mamária. O tempo médio de espera de uma mulher brasileira que permanece mastectomizada na rede pública gira em torno de dez anos. Na França, por exemplo, de cada 100 mulheres submetidas à mastectomia, 82 fazem a reconstrução no primeiro ano após o procedimento”, compara Chaves. Conforme levantamento da SBCP, em 2012, quando foi realizado o 1º Mutirão Nacional de Reconstrução Mamária, 555 pacientes foram operadas no prazo de uma semana. Enquanto a rede pública realizou 1.120 cirurgias em um ano.




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:







COMENTE: