Greenlife agosto

Protocolo facilita atendimento de pacientes com sintomas de AVC em UPA

Por meio da iniciativa, é possível evitar danos mais graves à saúde dos pacientes

15 de setembro de 2020
avc

O Protocolo Unificado de Manejo do AVC (PUMA) conta com profissionais capacitados para o atendimento dos pacientes. Foto: Divulgação

A chamada “janela terapêutica do AVC”, como é definido o intervalo entre o início do AVC e o atendimento médico, é um dos principais fatores determinantes para evitar que o Acidente Vascular Cerebral deixe sequelas ou seja fatal.

Por isso, foi implantado, desde julho de 2019, o Protocolo Unificado de Manejo do AVC (PUMA) na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Messejana, com o objetivo de tornar mais rápido o atendimento aos pacientes.

> Testes da vacina de Oxford contra Covid-19 são retomados no Brasil

O encaminhamento do paciente é realizado por meio do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) ao Hospital Geral de Fortaleza (HGF). O processo conta com uma equipe multiprofissional da unidade foi treinada desde o controlista de acesso ao médico do eixo 2, capacitados para sinalizar um AVC.

> Setembro amarelo: informação e prevenção andam juntas a favor da vida

Segundo a coordenadora da UPA Messejana, Julienny Timóteo, “esse protocolo vem fazendo diferença na vida, tantos dos usuários, quanto dos colaboradores, em poder contribuir em salvar vidas e na qualidade de vida dos pacientes. É o que abrilhanta, o que dá sentido ao nosso trabalho”.

Atendimento

A Aurila Pinheiro, de 64 anos, já foi beneficiada com o serviço. Ela estava se preparando para ir à igreja na manhã de 30/11 do ano passado, quando sofreu um AVC. Os familiares acionaram o SAMU que, a encaminhou à UPA de Messejana.

“Eu tinha terminado de me arrumar e estava esperando minha carona pra ir pra igreja, quando me senti mal e daí não me lembro mais de nada. Minha filha disse que o susto foi grande quando viram o estado em que me encontraram. Ainda bem que a ambulância do SAMU chegou rápido”, relatou.

> Hospital cearense participa de estudo da OMS contra Covid-19

Quando chegou à UPA, rapidamente já foi solicitada a transferência da paciente para o HGF. Segundo Julienny Timóteo, isso permitiu que a paciente fizesse todos os procedimentos necessários. “Seguir o protocolo é garantir que tudo o que for possível será feito para garantir a integridade física do paciente”, ressaltou.




QUEM LEU ISSO TAMBÉM LEU:







COMENTE: